Tatuado safado me fudeu enquanto eu dormia

Oi meus gostosos e gostosas, obrigada aos lindos que sempre me enviam mensagens e fotos seus gostosos, voltei com uma aventura bem picante e tesuda do jeito que vocês gostam.

Pra quem não me conhece, sou mulher Trans, tenho 27 anos, pele negra, cabelos cacheados e atualmente moro em Mato Grosso. Tenho uma tia, Mariana que tem um enteado bem problemático, Gerson, ele é filho do atual marido dela com a primeira esposa dele. Minha família não é assim tão próxima de mim, e quando recebi uma ligação de tia Mariana achei até estranho, quase me arrependi depois de ter atendido o telefonema.

O que aconteceu foi que Gerson tinha se envolvido com a namorada de um traficante da cidade, e acabou se envolvendo em brigas com o tal traficante, ele chegou a dar um tiro nesse tal traficante, que não o matou e por isso foi pior, porque o traficante o jurou de morte, e ele precisava sumir por uns tempos, foi o próprio pai do Gerson que me pediu para que o filho dele ficasse em minha casa por um tempo.

Num problema desse nível eu bem tive como negar o favor, e o Gerson veio pra minha casa, chegou com uma calça jeans escura, camiseta, jaqueta moletom e boné, ele tem mais ou menos minha altura, corpo magro, algumas tatuagens, pele clara. E estava com cabelo raspado, esqueci de dizer que ele chegou a ficar preso uma semana ba delegacia da cidade.

No começo ele não falava muito, acomodei ele no segundo quarto da casa, tinha uma cama de casal, ventilador, e um pequeno armário. Eu o deixei bem a vontade. E aos poucos ele foi se soltando, me pediu pra dormir no meu quarto por causa do ar-condicionado, as noites estavam bem calorentas nessa época, e deixei, ele trazia seu colchão e dormia ali no chão ao lado da cama.

Um dia eu estava cansada da semana, creio que era sexta ou sábado, eu fui me deitar mais cedo, só tomei um banho, vesti o pijama e deitei em minha cama, poucos minutos depois ele apareceu no quarto, também banhado, com bermuda dessas de tactel sem camiseta.

— Tá quente pra caralho hein? — disse ele ao entrar no quarto.
— Nossa muito, acho que é por isso que eu tô me sentindo bem cansada. —
— Ow pode assistir a TV aqui do seu quarto? —
Eu estava na intenção de dormir, mas estava mesmo muito quente, e só tenho ar-condicionado no meu quarto.
— Pode, só não coloca muito alto. Eu acho que vou dormir um pouquinho. —

O folgado ligou a TV e deitou na minha cama, eu sorri pensando que guri folgado, ele acessou a Netflix e foi procurar uma série, acho que era aquela de zumbi, acho ridícula, então logo eu peguei no sono, e como esfriou eu me cobri virei pro lado e adormeci.

Acordei sentindo um corpo bem colado ao meu, a mão dele alisando minha bunda desnuda, o quarto estava escuro, eu fiquei imóvel alguns minutos tentando processar, lembrando quem poderia estar comigo, quando me lembrei que era Gerson quem estava comigo no quarto.

— O que você está fazendo Gerson? —
— Pó tô na maior seca tem 3 semanas, libera esse cuzinho gostoso pra mim, vai? — respondeu ele bem próximo ao meu ouvido.
— Não Gerson, não é assim que… — estava eu tentando impedí-lo.

— Vai “primo” o Rafael falou pra mim que já comeu seu cuzinho. Dá pra mim também. —
Enquanto eu tentava fazê-lo parar ele já estava com o pau encaixado na portinha do meu cuzinho, e enquanto ele falava ao meu ouvido ele já estava preparado pra cravar seu pauzão em mim, eu que tinha acabado de acordar, ainda não tinha todas minhas forças pra impedí-lo, entanto senti a cabeça do pau dele me penteando, um pouco seca me causou dor.

— Ai porra, assim dói tá muito seco… —
— Então dá uma chupada aqui, me chupa com essa boca gostosa. —
Ele forçou minha cabeça em direção ao pau dele, eu estava exausta, cansada e sonolenta, não tinha forças pra resistir, então acabei chupando o cretino folgado, salivando bastante o pau dele ele gemendo de prazer, tentando forçar o pauzão no fundo da minha garganta. Depois ele foi me virando de bruços com a bunda pra cima e se posicionou em cima de mim, encaixou o pauzão no meu cuzinho.

— Gerson vai de vagar, você vai me machucar… — resmunguei.
— tá bom, vou tratar esse cuzinho com carinho pra você me dar todo dia tá bom? —
Mas mesmo de vagar doeu aquele cabeçona entrou queimando meu cuzinho, enfiou a cabeça e já foi socando o resto do pauzão branco dele.
— Aaaii, Gerson, tá doendo? —
— Que cuzinho guloso hein putinha, vou fuder você a noite toda e todos os dias. Ahh, isso engole meu pau com esse cu sua puta. —

Porra aquele mala fudeu meu cu como um louco, um animal selvagem com fome de sexo, o ritmo dele era rápido e forte, e quanto mais eu gemesse pedindo que ele parasse mais forte era as socadas que eu recebia. Quando ele ele cansou daquela posição ele se deitou atrás de mim, meteu seu pau fundo no meu cu, as vezes dava uma pausa, acho que pra não gozar e depois voltava pra sessão de socadas fortes, eu já cansada pedindo pra ele parar, ele ainda me fez

quicar no pau dele, cavalguei ele mais lentamente, ele puxava meu quadril para socar o pau dele bem fundo, e quando ele fazia isso eu soltava um gritinho. Por fim ele me fez ficar de quatro com a bunda bem empinada segurando um dos meus braços nas costas ele meteu rápido e forte até gozar urrando de prazer.
Eu não tinha mais forças dormir até de manhã, quando ele também acordou querendo mais uma rodada de sexo.
E foi isso pessoal, se gostou não esquece de votar e comentar, beijos da trava seus gostosos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.