Dando gostoso pro travesti pauzudo

Bom, vou contar outra história de quando dei o cu pra uma travesti não muito bonita.
Eu saí do trabalho aquele dia perto das 23h. Como estava trabalhando desde as 10h da manhã, tomei um banho e saí.
Aquele dia tava com uma vontade enorme de pegar uma travesti. Fui em uma rua conhecida de Canoas RS, e iniciei a caça.
Pra minha tristeza acabei não encontrando nenhuma que me chamasse a atenção. Dei uma 10 voltas e nada. Resolvi que iria pra São Leopoldo. Encontrei algumas, mas nada que chamasse a atenção tbm. Quase desistindo, resolvi ir pra Canoas novamente, por uma última tentativa.

Passando por Esteio, avistei uma. Ela estava em uma esquina bem escura, não conseguia ver muita coisa sobre ela. Dei a volta, entrei um pouco na rua e parei o carro. Ela já veio direto na porta do carona. Perguntei valor e ela respondeu. Disse ainda que daria um desconto, pois era o último programa dela da noite (já passava das 2h da manhã. Onde eu parei ainda estava escuro. Ela estava debruçada na janela do carona com os peitos pra fora. Perguntei tamanho do pau e se era ativa. Ela riu, disse que não era muito grande e que adorava comer cuzinho de viadinho enrustido. Eu fiquei louco de tesão na hora. Mandei entrar e fomos pro motel. Dentro do carro eu consegui ver ela. Tinha um belo corpo. Ela já levantou o vestido e tirou o pau pra fora. Ele era médio de tamanho, mas uma boa grossura. Olhei pro seu rosto, e ela não era bonita. Na verdade, era bem feia. Mas seguimos em frente.
No motel, ela pediu pra tomar um banho, e pediu que eu fizesse o mesmo. Ela tomou banho e eu fui logo depois. Quando saí, ela estava sentada na poltrona que havia no quarto, totalmente nua. Estava com o pau mole ainda. Ela me perguntou se eu queria ser passivo e eu respondi que sim. Ela então mandou eu dar uma voltinha pra ela me ver. Fiz o que ela me pediu, enquanto ela quieta alisava o pau, que começava a crescer. Disse que eu tinha uma bundinha bem gostosa, e que eu ia viciar na rola dela. Mandou que eu ficasse de 4 e fosse engatinhando até ela. Me ajoelhei e comecei a andar. Ela ainda me pediu que fosse rebolando bem a bunda. Obedeci, e quando cheguei até ela, o cacete estava muito duro, com umas bolas grandes penduradas. Cheguei nela e ela mandou que chupasse, sem encostar a mão no pau. Comecei beijando as pernas dela, depois comecei a mamar o saco… Lambia uma bola, depois a outra, depois as duas juntas… Ela estava atirada na poltrona. Comecei a passar a língua atrás das bolas, quase chegando no cuzinho dela. Ela então segurou minha cabeça e ergueu as pernas, deixando o cuzinho exposto. Não tive dúvida nenhuma em cair de língua no cu dela. Fiquei alguns minutos brincando ali e ela mandou chupar. Fui subindo pelo pau passando a língua até chegar na cabeça. Era um pau muito bonito, quando cheguei na cabeça, dei uma passada de língua e enfiei o máximo que pude na boca. Fiquei alguns minutos chupando, enquanto ela gemia e me chamava de viadinho. Eu virei mesmo um viadinho naquele pau. Ela mandou que virasse a bunda pra ela. Me virei. Ela sentou mais na borda da poltrona e ficou alisando minha bunda, enquanto batia uma punheta nela. Cuspiu na mão e ficou passando no meu cu. Ela enfiou um dedo, e nesse momento eu dei uma gemidinha. Ela deu um tapa em mim e me mandou para a cama. Obedeci.
Fiquei de 4 na cama e ela, aproveitando que meu cuzinho estava bem babadinho, começou a roçar o pau na minha portinha. Arrebitei bem a bunda, e com a ajuda das mãos abri bem, pra facilitar pra ela. Com a cara enfiada no colchão e todo exposto, ela me começou a me comer. Eu gemia, quase gritando de tanto tesão. Ela começou devagar e foi aumentando a velocidade da foda. Agora eu estava ali, de 4, todo aberto e totalmente a mercê dela. Ela diminuiu a velocidade e começou a socar devagar de novo, mas socava até o fundo. Conseguia sentir o saco dela encostar no meu, e os poucos pêlos que ela tinha em volta da base do pau roçavam no meu cuzinho, fazendo cócegas.
Ela então me mandou deitar de lado, com uma das pernas pra cima. Ela então encaixou em mim de novo e continuou me comendo. Eu continuei gemendo, de olhos fechados. Ela então mandou eu olhar pra ela e começou a me beijar. Eram beijos intensos, que ela só parava pra voltar e dar um tapa na minha bunda. Depois de um tempo fudendo assim, ela mandou que eu fosse por cima dela. Ela deitou e eu sentei. Agora eu que controlava a foda. Me senti uma puta, e comecei a rebolar no pau dela. Ela apertava meus mamilos, me puxava pra me beijar e dava tapinhas na minha cara. Eu rebolava, gemia e pedia mais. Depois ela me falou que ia gozar. Saí de cima dela e me deitei. Ela montou no meu peito e ficou batendo uma até gozar na minha cara toda. Sem sair de cima de mim, se virou e ficamos em posição de 69. Começou a bater uma pra mim e me chupar. Ela rebolava na minha cara, fazendo com que a porra dela se esfregasse pela minha cara. Em poucos minutos eu gozei na mão dela. Ela pegou minha porra, saiu de cima de mim e esfregou minha porra na minha cara. ficamos um pouco deitados na cama agarrados. Ela se levantou e foi pro banho. Depois eu tomei um banho e dei uma carona pra ela até a casa dela. cheguei em casa perto das 5h e fui dormir. Feliz, ainda com gosto de porra e com o cuzinho bem abertinho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *