Transex dotadas

Tudo começou em fevereiro deste ano, estava no computador e resolvi entrar num site se acompanhantes quando vi um anuncio de uma transexual maravilhosa, liguei e fui no seu local na mesma hora, chegando lá me deparo com uma “mulher” só de calcinha e com uma “mala” enorme que fazia sua calcinha ficar estufada e molhada na frente.

Ela me mandou ficar pelado e após eu tirar toda minha roupa, ela disse em um tom ríspido para eu tirar sua calcinha com a boca:

– Tira logo esta pica da calcinha putinha, chupa e baba que vou te arrombar muito hoje.

Na hora em que vi sua picona cheguei a tremer e começar a suar, pois nunca havia visto uma rola tão grande como aquela.

Coloquei sua pica dentro da boca, lacrimejei muito devido ao tamanho de sua rola, cabeçuda, cheia de veias, lisinha e roxa, começou então a fuder minha boca.

Fiquei chupando aquele colosso durante uns vinte minutos e depois deste tempo, que pareceu horas, ela me mandou:

– Relaxa este cu pois a partir de hoje ele nunca mais será o mesmo, e você vai viciar na minha pica, vai me querer todo dia.

Como se não bastasse, me lambuzou o cuzinho e sua rolona de lubrificante e começou a tentar enfiar sem dó, aí vi que estava sem camisinha e pedi para não me comer sem, levei um tapão e ouvi o seguinte:

– Vou te comer como eu quiser, quem manda aqui sou eu!

Comecei a sentir muita dor, e sua rola havia entrado apenas até a metade, passou, então a ficar gostoso e eu até rebolava na pica.

Resumindo, ela me viciou a tal ponto que toda semana vou na casa dela, afim de dar meu cu e beber seu leitinho.

Bem, mas vamos ao que ocorreu a duas semanas atrás, e tenho repetido desde então.

Estava em casa, quando toca meu celular, atendo e fico super feliz ao ouvir a voz da Carol dizendo:

– Estou aqui em uma chácara e estamos, eu e mais três amigas, loucas para comer um putinho, que tal você vir aqui agora?

– Olha, quero muito ir aí, no entanto, não tenho como pagar vocês.

– Se você aceitar ser nossa putinha todo o fim de semana, não precisa pagar nada.

Lógico que topei na mesma hora, e lhe disse:

– Paixão, me envie o endereço no meu celular que já estou chamando o uber.

Não demorou nem três minutos e eu já estava a caminho da chácara.

Chegando lá fui recebido por uma loira de vestido comprido e de cabelo preso num rabo de cavalo.

Bastou entrar na casa que ela tirou o vestido e como estava sem nada por baixo, ficou completamente nua, mostrando um pinto maior que o da Carol, como era possível ser maior?

Me colocou para chupar aquela rolona que ia crescendo mais ainda na minha boca, tinha um sabor delicioso, devido ao pré gozo que era abundante.

Eu estava chupando aquela rola no sofá da sala, quando as três outras vieram até nós já peladas, estavam tomando banho juntas, se pegando, se chupando e brincando de muitas coisas, inclusive mijando uma na outra, chegaram e duas delas foram para traz de mim, afim de me comer.

A outra veio na frente e começou a enfiar a sua rolona mole na minha boca, e depois quando passou a me colocar para chupar seu sacão, começou a mijar na minha cara e na picona dura da amiga.

Não satisfeita parou de mijar e colocou seu cu na minha boca e gritava:

– Enfia meu saco nesta boca quente de vadia!
– Põe esta língua dentro do meu cu bezerrinha, cospe aí.

Seu saco e sua picona foram endurecendo, seu saco parecia de ferro e sua picona de aço.

As suas amigas que estavam atrás de mim, passaram a fazer uma dupla penetração em mim, no inicio doía muito, mas depois comecei a sentir prazer e já pedia para meter mais forte.

Depois de um revezamento que durou umas três horas, tocou a campainha e era uma outra amiga delas, e após atender o interfone a Carol mandou eu ir recebe-la pelado e mijado.

Fui ao portão e lá estava a mais linda trans que eu já tinha visto, cabelo castanho e olhos verdes, apos um selinho achei que uma trans linda como aquela tinha uma pica pequenina, ledo engano, ela levantou a sainha que usava e me mostrou sua pica, estava sem calcinha, mole tinha uns 23 centímetros.

Mal entrei, e ali no hall mesmo fui obrigado a chupar a pica da morena, enquanto isso as outras quatro amigas se chupavam e se comiam no banheiro.

Quando a Thais, a morena, ficou de pica dura, passou a me comer sem lubrificante e sem camisinha, depois que entrou todo seu pinto em meu cuzinho, passei a sentir muito tesão e a gritar.

As outras quatro vieram até nós e nos levaram para um quarto lá enquanto duas enfiavam suas rolas em minha boca uma me comia, duas se comiam e a que dava seu cuzinho mijava em todo mundo.

Resumindo, cheguei na sexta feira, tirei minha roupa e só a recoloquei na segunda feira, arrombado, mas feliz.

Estamos marcando outra festinha desta, assim que rolar conto aqui.

Espero que tenham gostado, votem se querem que eu volte aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *