Trans do Tinder

Olá, meu nome é Felipe, tenho 29 anos e sou de Curitiba. Hoje vou contar pra vocês o meu primeiro encontro de verdade com uma Trans.

O ano era 2020, época de carnaval, diferente de outros anos dessa vez eu fiquei em Curitiba, grana tava curta e passei praticamente todos os dias de carnaval em casa. Eu já venho me interessando por mulheres trans fazem alguns anos, sempre assistindo vídeos pornô e me masturbando bastante, algumas vezes até demais, de passar o dia todo com o pau duro me

deliciando com as cenas de Trans sendo chupadas e enrabando uns caras. Outra prática minha era entrar em sites de acompanhantes trans e ficar olhando as acompanhantes disponíveis aqui na minha cidade, sempre com um muito desejo mas sem coragem de contata-las de fato.

Pois bem, nesses dias de carnaval, eis que entro no Tinder e pra minha surpresa vejo uma dessas Trans do site de acompanhantes no aplicativo, reconheci rapidamente porque sou viciado em entrar nesses sites, mas seu nome estava diferente no aplicativo. Entro no seu perfil, fotos ainda mais lindas do que no site…. meu coração já começa a bater mais forte, meu pau já começa a dar indícios de que vou precisar me masturbar vendo essa delicinha, fiquei naquela

 

adrenalina, “será que vai dar match?”. E para minha felicidade e tesão, deu match….! Minha mão já alcançou meu pau e logo mandei mensagem e depois de algum tempo ela me respondeu…. o papo que geralmente é precário no Tinder, dessa vez fluiu muito bem. Logo ela me passou seu número de whatsapp e começamos a jogar conversa fora, no dia seguinte nos falamos de volta

 

e dessa vez ela me chamou pra encontrar ela num bloquinho de carnaval, mas infelizmente eu não poderia ir nesse dia, pra ela achar que eu estava só de enrolação, sugeri de a gente se encontrar dois dias depois numa sexta feira. Disse que pegaria ela em casa e poderíamos sair tomar um vinho enquanto davamos uma volta de carro. Ela aceitou, continuamos nos falando por esses dois dias de um jeito mais safado, provocando de leve um ao outro.

Sexta feira, como combinado, busquei ela por volta das 20h. Entrando no carro me deu um beijo no rosto de oi e já senti seu cheiro perfumado, uma delicia. Começamos a conversar enquanto eu dirigia e sugeri que parássemos num mirante, que dá pra ver a cidade por cima e podíamos ficar bebendo e conversando no carro. Chegando lá, papo vem papo vai, um gole aqui outro ali, meu tesão subindo demais e só conseguindo olhar pra boca carnuda dela e

 

imaginar tudo que estava por vir. Em dado momento paramos de conversar e não aguentei, comecei a beijar ela e logo percebi que ela também estava cheia de tesão, começou a morder meu lábio, me beijar bem molhado, pescoço, orelha, aquele tesão foi me consumindo e com ela sentadinha no outro banco comecei a passar a mão por dentro da saia dela, logo senti seu pau embrulhadinho pra dentro da calcinha e suas bolas, nisso depois de uns 10 min se pegando eu sugeri que a gente fosse pra um motel lá perto, coisa de 5 minutos de distância.

Chegando no motel, já estavamos mais bebados, desci do carro na garagem e começamos a nos beijar com ela apoiada na porta do carro, tava muito gostoso e minha mão logo foi encontrar o pau dela novamente, dessa vez fui beijando ela e me abaixando até minha cara ficar na altura do seu pau, ela tava de saínha e de calcinha, fiquei esfregando minha cara alí enquanto ela segurava minha cabeça contra seu corpo. Coloquei minhas mãos pro baixo da saia e puxei sua calcinha pra baixo. Nesse momento eu já tava cheio de agua na boca, mas quando vi o pauzão dela sendo liberado da calcinha, quase derreti de tesão. Era um pau enorme mesmo

 

ainda começando a ficar duro, ao vivo era muito maior do que aparentava pelas fotos do site. Comecei a esfregar ele na minha cara e logo coloquei a cabeça na minha boca, a medida que ele ia endurecendo eu ia colocando ele mais pra dentro da minha boca enquanto ela ia rebolando pra frente e segurando minha cabeça. Quando o pau ficou bem duro, entramos no quarto e ela sentou no cantinho da cama, tirou a calcinha toda e a parte de cima, ficando só de

 

sainha, ajoelhei na frente dela e comecei a chupar demais, engolindo e babando cada vez mais , sentia aquele pau pulsando ja na altura da minha garganta enquanto ela gemia cada vez mais, comecei a me sentir uma putinha bem safada, cuspia no pau e me lambuzava inteiro, engasgava ja com as bolas batendo no queixo e ela me puxando a cabeça contra ela pra ir cada vez mais fundo.

Fomos indo mais pro centro da cama e deitamos um de frente pro outro e ela começou a me pegar forte, me beijar, me morder, me lamber, arranhar, agarrou minha perna por cima dela e foi descendo pra me chupar enquanto sua mão descendo em direção ao meu períneo e pra portinha do meu cuzinho. Comecei a gemer igual uma putinha e rebolar gostoso. Ela entendeu o recado: meu cuzinho queria ser penetrado, foi então que ela cuspiu no seus dedos e começou

 

a enfiar no meu rabinho. A essa altura eu já gemia como uma cadelinha, ela começou a me xingar de tudo que era possível, ” Tá gostando putinha?” “Tá gostando do meu dedo no seu cuzinho cadela?” “Geme vadia, geme”…… foi quando ela me virou de bruços e colocou um travesseiro de baixo do meu quadril, me fazendo ficar bem empinadinho pra ela.

Começou a chupar meu cuzinho enquanto eu abria bem minha bunda e gemia feito uma vadia, ela era minha dona naquele momento e sabia disso.
Entre estapear minha bunda e meter a sua lingua lá dentro do meu cuzinho ela começou a me xingar de novo: ” Quer meu pau no seu cuzinho quer?” , “Rebola sua puta, rebola” ” Vou meter nesse cuzinho, viadinho”
Eu já estava fora de mim, queria muito aquela rola no fundo do meu cuzinho, tava pronto pra ser arrombando: ” Come meu cuzinho come”, “mete na sua putinha”….. eu nunca tinha ficado desse jeito, não sabia que eu poderia ser tão puta quanto fui aquele dia. Ela já cheia de tesão

 

pegou o lubrificante que tinha no motel e começou a passar no meu cuzinho, aquele geladinho me deixou mais excitado ainda. Encapou o pauzao dela e me fez ficar mais empinadinho ainda.
Eu já tinha dado o cu pra minha ex namorada e tinha meu proprio dildo, mas aquele pau tinha uma proproção que não tava acostumado, era daqueles paus pesados, mais grossos no meio….. uma delicia.

Ela colocou a cabecinha direitinho e foi metendo devagar, mas sem parar. Meu reflexo foi abrir minha bunda com as minhas mãos e morder o travesseiro, que delicia e que dor sentir aquela pica entrando no meu cu, ela foi até metade, voltou e foi de novo, e de novo, até estocar tudo no meu rabo. Eu era um misto de gemido de dor e prazer, ela se animou vendo que eu aguentei tudo e começou um vai e vem cada fez mais forte, pegando no meu quadril, batendo na minha bunda empinadinha e eu cada vez mais fora de mim, olhando pra tras e pedindo que ela me fodesse gostoso: ” Fode essa putinha fode”, ” Me deixa arrombadinho vai”….. fico de pau duro só de lembrar.

Depois de me foder bastante de quatro ela quis me comer de ladinho, tirou o pau todo e me deitou de lado, quando entrou de novo eu urrei de prazer, aquilo tava muito bom, comecei a empurrar minha bunda no pau dela, no mesmo ritmo que ela me metia, fazendo com que seu pau fosse ainda mais fundo dentro de mim. Ela parecia um animal me fodendo e eu não aguentei mais, avisei que ia gozar e ela deu as ultimas estocadas no meu cu, quase explodi de tanto gozo de eu gozei. Agora era vez dela, continuou me fodendo e eu pedi que gozasse na minha boquinha: ” Goza vai, goza na minha boquinha”, ” Deixa eu beber seu leitinho vai”. Depois de mais alguns minutos ela repentinamente tirou seu pau de dentro de mim, me virou e lambuzou toda minha cara e boca com a sua porra…. que delicia foi aquilo….. ela urrando enquanto eu recebia aquele leite grosso, chupei seu pau até o talo de novo, sugando tudinho pra tirar até a ultima gota.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.