Cdzinha comida a força na estrada

Olá, meu nome é Dani e sou uma cdzinha de 24 anos, branquinha, 1,70m, 75kgs. Hoje vou contar como fui usada na beira da estrada e abandonada pelo safado.
Estava eu um sábado a tarde, com o tesão em alta e resolvi usar o chat do UOL, pra passar o tempo, não estava a fim de sexo msm. Vi um cara com Nick “dotado de carro”,
Começamos conversar e caindo no papo marquei de mamar ele no carro. Marcamos um ponto, me arrumei, não podia dar bandeira então fui apenas com uma calcinha da minha irmã por baixo do short, preta de fiozinho, e lá estava eu esperando ele.

Quando chegou no ponto, nós reconhecemos pelo local e entrei no carro. Quando entrei o puto já estava só de camiseta, sem calça e cueca, com a pica latejando de dura. Era um cara grande, forte, um pouco acima do peso e com um cacete bem grande.
Me assustei e ele saiu dirigindo, me mandou pegar, tentei pedir pra esperar chegar em um local mais afastado mas ele insistiu

-pega logo sua puta.
Peguei aquele cacetao e fui, punhetando ele com medo de alguém perceber, mas logo ele já estava na estrada.
Paramos num local bem afastado,e mato mesmo. E logo já tinha caído de boca, ele me mandou tirar o short, quando tirei ele ficou maluco com o fiozinho socado no meu rabao.
-vou te estourar toda sua cadela, veio de fiozinho pra isso né

Tirei o pau da boca pra argumentar
-combinamos só uma mamada, não quero dar
Logo ele enche a mão na minha cara
-continua chupando sua puta, vai dar esse cuzinho sim, a força se precisar
Doeu meu rosto mas comecei a gostar da humilhação
Ele forçava o pau na garganta e ria das engasgadas q dava.

Logo me puxou pelo cabelo e me tirou do carro, de calcinha e camiseta só.
Me deu dois tapas bem fortes no rosto e me mandou apoiar as mãos no capu do carro e empinar a bunda pra ele.
-vai devagar
Outro tapa forte no rosto e um na bunda deixando a marca dele.
Sabia q ia levar vara, sem muito cuidado ele abaixou a calcinha nos joelhos e socou metade da rola de uma vez. Vi estrelas mas fiquei firme, sabia q só ia apanhar mais.

-A puta aguenta rola, safada, tá gostando né
Outro tapa na bunda
-responde vagabunda
-to sim, tá doendo mas..
Antes de terminar de falar o safado socou o resto da pika me fazendo me debruçar sobre o capu. Ele só me segurou e continuou fodendo
Parte de mim queria fugir dali pq doía mas a outra parte queria ser rasgada ao meio por aquele macho.
-geme putinha, geme pro seu macho

Não conseguia falar nada além de soltar uns gemidos finos pro comedor enquanto resistia a dor.
O barulho dos meus gemidos e da virilha dele batendo em mim eram altos mas ngm ouviria. Me comeu por uns 10 minutos assim e gozou muito.
-arrombei essa bunda branca, agora limpa meu pau sua puta.
Mandei o pinto dele até deixar limpinho.
Meu cu escorria leite e enquanto tentava limpar como dava antes de botar a calcinha de novo. O filha da puta entrou no carro e saio em velocidade. Me deixando no meio do nada, só com a camiseta e a calcinha.

Fiquei vários minutos desesperada mas não tinha jeito então resolvi andar pela estrada pra qualquer direção, seria melhor q passar a noite ali. Não podia deixar a calcinha porque era da minha irmã e ela não sabia que pegava. Então fui com ela.
Na rodovia alguns caminhoneiros pararam e me deram informação, fazendo com q eu pegasse uma carona na direção certa com um deles, que me emprestou uma bermuda pra encobrir a calcinha e ate rolou uma mamada de agradecimento rs já que de calcinha não dava pra negar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.