A namorada do pirocão

Meu conto hoje é da minha primeira transa com uma ex-namorada trans. Dominique, uma linda trans que conheci em um grupo nas redes sociais há uns anos atrás. Linda, simpática, carinhosa e o melhor de tudo… ativa. No começo, trocávamos nudes e quando eu recebi a foto da sua piroca imensa e grossa, confesso que fiquei louco por um encontro. E tão logo eu pude, acordei um dia mais cedo e fui ao seu encontro. Ela me recebeu em sua casa e tínhamos pouco tempo, pois eu ainda precisava trabalhar.


Ela foi me buscar na estação e já de cara, nosso beijo encaixou. Fomos direto para sua casa e logo logo eu já estava enchendo a boca naquele cacetão grande, mamando como se não houvesse amanhã, deixando ela louca. A mamada tava tão gostosa que eu adoraria se ela tivesse enchido minha boca de leite, mas ela se seguroiu.
Logo logo nos deitamos e de ladinho, ela começou a introduzir aquele pauzão no meu cuzinho. Meu cu é bem guloso, mas confesso que deu trabalho para entrar tudo, mesmo ela usando lubrificante. Mas com paciência da minha parte e perícia da dela em comer um cu, logo o pau dela estava completamente atolado e eu rebolava de prazer, deixando ela paradinha apenas sentindo meu cu fodendo a piroca dela.

Depois ela me botou de quatro, e eu já com o cu acostumado com aquele charuto, empurrou tudo. Eu gemia bem baixinho de prazer, sentindo ela socando com vontade e as suas bolas batendo na minha bunda. Lembro de olhar para trás e a imagem dela metendo com gosto. Era lindo aquele momento, eu sendo uma fêmea da minha namorada trans. Não queria que aquele momento acabasse. Se ela metesse por umas três horas sem gozar, eu aguentaria tudo.
Não aguentei e gozai ali de quatro, com o pauzão dela me arrombando bem gostoso. E não há sensação mais deliciosa do que gozar sentindo um pauzão dentro do meu cu. Já gozei de diversas maneiras, mas não há sensação melhor do que um orgasmo sendo penetrado bem fundo.

Depois de gozar, segui de quatro, esperando a minha namorada pirocuda se saciar e encher meu cu de leite, outra coisa que me deixa satisfeito e realizado. Segui de bunda empinada e logo logo ela estava inundando meu rabo com seu leite quente e gostoso.
Após uma pequena pausa, em que o pau dela não abaixava, e eu adorava o tesão que ela tinha por mim, fomos para mais uma sessão. Desta vez com o cu relaxado, arombado e cheio ainda do seu leite, não foi difícil ela meter. E a cavala me pegou de pé, por trás. Eu completamente submisso, me punhetava com aquele petardo me realizando por completo. Gozei enquanto ela socava e depois só rebolei gostoso para que ela enchesse meu rabo novamente com seu leite e eu fosse trabalhar com um tesão ainda maior, sentindo o leitinho dela escorrendo e querendo ainda mais sentir aquela rola maravilhosa dentro de mim.
Estava eu apaixonado por aquela guria naquele momento e além de apaixonado, com muito tesão e sempre que era possível, estava eu mamando e sentando naquele pirulitão lindo e gostoso. Era bom demais quando estávamos juntos e uma vez que eu deixava a rola dela dura, era difícil abaixar. Uma coisa deliciosa.
Não estamos mais juntos hoje, mas se eu tiver qualquer oportunidade de me esbaldar naquele caralhão, eu não desperdiçarei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *