Negociando leitinho quente do macho

Geralmente os meninos soltam muito leite depois que seus paus criam pelos e crescem. Eu fui diferente. Precisa soltar leite ganhando muito dele no rabinho. Isso explica porque desde cedinho eu fui virando menina.
A historinha que vou contar é bem curtinha.
Assim que comecei a virar menina percebi que precisava de leite pra viver. Por um bom tempo eu ganhava leitinho quente e grosso de um vizinho meu chamado Rogério.
Todo dia ele ia jogar bola e quando chegava em casa quase de noite a mãe dele mandava ele tomar banho num banheiro que ficava nos fundos da casa e bem na direção de um furo no muro da minha casa. Um dia eu ouvi a mãe dele gritar pra ele ir pros fundos e quando saí olhei pelo buraco do muro e vi ele pelado na porta do banheiro. Ele tinha deixado a tolha pro lado de fora e abriu a porta pra pegar. O que mais me chamou a atenção é que o tesouro dele estava duro no corpo todo molhado. Imaginei que antes de secar ele ia se acabar na punha antes de sair de novo.
No dia seguinte me preparei toda pra dar o bote. Botei uma calcinha preta toda pequena e uma blusa transparente que deixava meus mamilos aparecerem e vigiei ele indo para o banheiro. Ele entrou e deixou a toalha fora. Eu passei o buraco peguei a toalha e fiquei do lado do banheiro esperando. Daí uns 10 minutos ele abriu a porta e saiu pelado. Comecei a tremer, mas não resisti e apareci perguntando:
– Quer isso?
Ele levou um susto, segurou a toalha, mas eu não soltei, então ele puxou e me arrastou com ele pra dentro do banheirinho. Fechei a porta atrás de mim e nem dei tempo dele pensar: METI A BOCA NO CACETE.
Ele ficou quieto e só me deixou mamando. A vara crescia mais a cada mamada. Ele devia ser uns 5 anos mais velho que eu e o pau era bem grossinho, bem mais que o meu. Depois de um tempo ele segurou minha cabeça e perguntou baixinho:
– Vou te sujar toda!
– Pode ser, mas não prefere aqui? – perguntei isso me virando e separando com as duas mãos minha bunda enquanto me dobrava empinando o rabo pra ele. Ele só encostou e eu fui piscando, piscando até engolir o piru:
– Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Como meu cuzinho bem forte vai!!!!!!!!!!!!
Bastou eu dizer isso pra sentir ele bombando bem forte:
– Issoooooooooooooo!!!!!!!!!!!!!!!!! Me rasga logo, porra, come esse cu!!!!!!!!!!!!
Eu ia rebolando e ao mesmo tempo tocando uma punha. De reprente senti meu cacete piscar, tirei a mão dele e deixei ele jorrar à vontade. Acho que na mesma hora o leite dele invadiu meu rabo, inaugurando um jeito de ganhar e soltar leite que durou muito tempo depois disso.
Até hoje eu adoro o Rogério!!!!
Quer cu? Eu dou!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *