Sendo Arrombado na primeira vez

Depois de chegar de viagem, estava indo pra casa e resolvi passar em uma rua onde ficam as bonecas aqui na minha cidade. Não havia muitas na rua, afinal já era 3 horas da manhã. Seguindo a rua, avistei uma já indo embora. Não era muito bonita, mas como era a única encostei o carro puxei conversa ela, então pude observar o quanto era feia. Sem muita paciência me disse se chamar Camila e o que eu iria querer. Confesso quase desisto, mas quem tá na chuva é pra se molhar. Após negociarmos o preço ela entrou no carro e fomos a um hotel

próximo, desses hotéis de beira de estrada bem xexelento. Ela devia te uns 25 anos mais ou menos tirou a roupa ficando apenas de calcinha sem muita conversa se ajoelhou e tirou meu pau para fora e começou a chupar, não sei o que aconteceu, mas com menos de um minuto enchi a camisinha de porra. Ela olhou para mim e deu uma risadinha se levantou e tirou a camisinha e foi no banheiro eu estava ali tentando reanimar e nada. Quando ela voltou já arrumada pediu para ir embora falei que não e discutimos um pouco. No final paguei mais um trocado para ela ficar. Ela tentou e não conseguiu então deitou-se ao meu lado e ficamos conversando.
Me contou das dificuldades quando criança e como se transformou, das brigas em casa e foi me falando da vida dela. Acho que ela precisava desabafar e resolveu fazer aquilo ali comigo. Perguntei da transformação e ele me disse que tinha parado, pois tinha medo de ter dificuldades de ter uma ereção e que os clientes que ela tinha quase todos eram passivos, na curiosidade pedi para ver e ela levanta a saia e mostra uma mamba negra que mole devia ter uns 25cms (20,5cm medi depois) ela viu meus olhos brilhando e habilmente pegou minha mão e colocou no pau dela, olhando na minha cara ela falou:
– Pega vai, eu vi seus olhos brilhando!
Comecei a punheta-la e aquilo foi inchando. Ela continuou conversando comigo como se eu não estivesse fazendo nada, aquilo ali crescendo na minha mãe e ela falando de um viado que ela tinha comido mais cedo, como ele gritou e pedia mais. Do tamanho que ficou o rabo dele e nisso dava uma gargalhada, quando eu percebi ela tinha segurado a minha cabeça e foi forçando de encontro ao seu pau, confesso que eu não resisti, estava maravilhado comecei pela cabeça, ainda estava a meia bomba fiz a melhor chupeta da minha vida, recebendo elogios da Camila as vezes ela forçava minha cabeça fazendo eu me engasgar:
– Isso minha putinha, xupa assim!!! humm!!
Aquilo foi crescendo na minha boca e eu já não consegui engolir muito. Camila ora fazia carinho na minha cabeça ora forçava minha cabeça fazendo eu engolir aquela monstruosidade quase toda. Ficamos nisso alguns minutos, ela se afasta e fica de pé mostrando aquele instrumento todo babado apontando para mim. Ficamos alguns minutos em silêncio eu sem entender o que estava acontecendo quando ele falou:
– Não se faz de desentendido que eu sei que esse rabinho está piscando de vontade.
Realmente eu estava doido para sentir aquele pau, mas o medo era enorme. Apesar de sempre transar com bonecas, nunca tinha sido passivo, já tinha chupado algumas, mas nunca fui comido e sempre tive essa “curiosidade”. Ela colocou a camisinha e lubrificou a ferramenta com um óleo que ela tinha na bolsa. Eu deitado na cama olhando ela se preparando, então ela veio se deitou ao meu lado e me deu um tapa na bunda que estalou e deixou sua mão marcada:
– Essa é primeira marca da dona desse rabo, agora eu vou imprimir a digital da minha rola nas pregas do teu rabo, putinha!!
Nossa quase gozo só de escutar isso. Ela se deitou e pediu para eu montar nela, pois assim poderia controlar melhor a penetração para não me machucar, como se isso fosse possível! Quando estou me ajeitando ela olha para o meu pau, ainda mole, e começa a rir. Eu agachado em cima dela, posiciono aquele colosso na portinha do meu cú e solto um pouco o corpo. Acho que pela lubrificação excessiva a cabeça entrou de uma vez, fazendo com que eu desse um urro de dor e pulasse fora caindo de bruços na cama chorando tamanha foi a dor, ela montou em mim então e encaixou novamente o pau no meu rabinho, já enfiando novamente a cabecinha e parando. Novamente doeu muito, dei outro grito, mas não consegui sair, ela me segurou:
– Calma potranquinha!! Já vai passar.
Começou a tirar e colocar somente a cabecinha, a dor sumiu e ficou um prazer indescritível. Contando ainda toda a habilidade da Camila que a cada movimento enfiava um pouco mais e eu nem percebia só sentia prazer. Então ela se levantou e deitou novamente ao meu lado.
– Vem monta em mim de novo que eu to cansada.
Rapidamente voltamos pra posição inicial, eu me posicionei e já sentei na pica dela colocando a cabecinha pra dentro. Nisso ela começa a rir novamente.
– Olha minha putinha tá com o pintinho (meu pau mede 16cm, dentro da media mas nada perto daquela anaconda que ela tem no meio das pernas) duro. Eu nem tinha percebido quando vou começar o movimento ela puxa meu pé de apoio e faz com que eu seja rasgado pelo pau dela de uma vez. O grito que eu dei parecia que eu estava sendo rasgado ao meio. Ela me jogou para o lado de bruços se posicionou novamente em cima de mim e enfiou todo o pau no meu rabo sem cerimônia eu gritava pedindo pra ela para, mas estava sem forças. Nisso escuto batidas fortes na porta.
– CAMILA??? CAMILA?? Tá tudo bem?
– Se preocupa não Fred, esse viadinho era virgem!!
– Ahhh então pode arrombar ele que não tem problema ele gritar hoje que o movimento tá fraco.
Eu não podia acreditar naquela conversa surreal. Camila com o pau atolado no meu rabo me chamando de viadinho virgem e o cara do outro lado da porta levando numa boa.
– Você não é a primeira bixinha que eu como aqui, mas é a mais escandalosa com certeza!!!
Deu uma risada e aumentou o ritmo. Eu senti os jatos de porra dentro da minha bunda. Mesmo dentro da camisinha tamanha era a quantidade. Quando ela foi tirar o pau, não sei o que era fez mas tirou apenas o pau deixando a camisinha cheia de porra dentro da minha bunda só com a pontinha de fora. Veio para minha frente com o pau todo cheio de porra e enfiou na minha boca mandando eu deixar limpinho.
– Limpa tudinho, bixa!! Eu deixei a nota de posse no teu rabo!!! (Se referindo a camisinha).
Como estava gostoso aquele cacete todo cheio de porra. Depois em levantei e fui ao banheiro, a porra escorria pelas minhas pernas. Tinha um espelho pequeno no banheiro, mas dava para ver o estrago no meu rabo. Tirei a camisinha joguei no lixo e fui tomar um banho. Quando voltei para o quarto, Camila já estava pronta apontou para uma poça de porra na cama:
– Olha ae bixinha!!! Gozou só tomando no cúzinho, hein!!!
Gozei que nem tinha percebido, rimos um bocado terminei de me arrumar já tinha amanhecido, o relógio marcava 6 horas então fomos embora.
Na recepção tinha um senhor de uns 60 anos, ele me passou a conta, paguei e estava indo embora quando ele falou, com um sorrisinho no canto da boca:
– Algum problema Senhor? Vi que está mancando.
Camila deu uma risadinha e comentou:
– Deixa meus clientes em paz, Fred!!
Os dois caíram na risada e ela me puxou para fora. Deixei ela numa rua próxima, onde o carro dela estava estacionado. Ele me passou o número dela e pediu pra que eu ligasse quando meu rabo sarasse pra tomar outra surra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *