Sonho de CDzinha

Olá, tudo bem? Sou uma cdzinha de armário ainda, sem experiência, porém com muita vontade de provar algo novo. Tenho 37 anos, moreno claro, 1.75, 70kg, corpo em dia e liso, pratico esportes e vou à academia. Bom, como não tive nada real ainda, essa história que vou contar foi um sonho que tive. Nunca saí em público vestido de menina, mas nesse sonho, estava caminhando pela rua, após sair de uma festa a fantasia, óbvio, eu estava vestido de mulher (estava com um vestido tubinho preto, bem justo, por baixo uma calcinha fio dental branquinha

de renda, e um peep toe salto quinze, tb preto). Pois bem, estava voltando a pé da tal festa, nisso passa um carro por mim, com 2 homens (não me recordo muito da descrição deles, mas eram mais novos que eu, ambos morenos claros e bem atraentes). Notei que passaram por mim, buzinaram e ficaram olhando. Não dei muita bola, até fiquei meio irritado no momento. Deram a volta na quadra e passaram novamente, desta vez mais devagar…o que estava dirigindo falou:

– Oi, gatinha, quer carona??
Não falei nada, ele insistiu:
– Entra aqui, levamos você pra casa…deve estar difícil caminhar com este salto.
Eu olhei para ele, lindo, cara de safado, ninguém na rua, pensei em dar corda:
– Não sei se seria uma boa pegar carona com 2 estranhos.
O que estava na carona respondeu:
– Bom, me chamo Carlos e este meu amigo é o Ander.

O Ander falou:
– Pronto, não somos mais estranhos…e como é seu nome gatinha?
Eu não sabia o que dizer, nunca tinha pensado em nomes, respondi no instinto:
– Me chamo Paula.
Ander fala:
– Hum, lindo nome…combina com a pessoa. Mas então, aceita nossa carona?? Pode confiar na gente…falou com um sorriso safado no rosto.
– Bom, acho que vou aceitar, meus pés estão me matando.
Eles pararam o carro, Carlos desceu e abriu a porta pra mim. Agradeci e entrei no carro. Pude perceber que aqueles rostos não me eram estranhos, então perguntei:

– Parece que conheço vocês dois!!
– Hum, então lembrou da gente?? Estávamos na mesma festa que você, te cuidando faz tempo, mas você estava com seus amigos – disse Ander.
– Só vagamente, não podia ficar dando bandeira – falei cruzando as pernas no banco de trás.
Percebi que Ander olhou no retrovisor, nisso Carlos olha pra trás e pergunta:
– Paulinha, acho que não queremos te levar pra casa…que tal irmos pra outro lugar?
Na hora fiquei nervoso, mas o tesão estava subindo pelo meu corpo:
– Depende, vocês prometem cuidar bem de uma menina virgem?
Os dois ficaram surpresos, Ander olhou pelo retrovisor e disse: claro que sim gatinha, pode ficar tranquila.

Nisso o Carlos pula para o banco de trás, senta do meu lado, me dá um beijo no pescoço que me deixa arrepiado, e vai passando a mão na minha perna. Solto um gemidinho baixinho, ele se aproxima da minha boca e me dá um beijo. Instintivamente eu retribuo, ainda sem muita reação, mas sinto uma sensação diferente e gostosa. Ele pega minha mão e coloca sobre seu pau, por cima da calça mesmo. Eu começo a apertar, pela primeira vez sentindo um pau de homem, o que tanto sonhei. Fico massageando sobre a calça, enquanto beijo freneticamente Carlos. Ele vai subindo mais a mão na minha perna, sente a calcinha de renda:
– Ander, a gatinha a tá de calcinha também, uma delícia…

– Nossa, esse nosso final de noite vai ser melhor do que esperávamos- disse Ander já colocando o carro na garagem da casa dele. Ele desceu do carro, veio na porta e me puxou de Carlos, dizendo:
– Vai gatinha, desfila pra mim, rebola gostoso…o caminho é por ali – me apontou uma escada para subir. Me senti desejada, 2 homens ali, me querendo, achei demais. Fui caminhando e subindo a escada, devagar, nisso meu vestido sobe um pouquinho deixando a bundinha a mostra, ainda mais na escada. Ander veio atrás, me encoxou, pude sentir seu pau já duro na minha bunda, que sensação deliciosa. Fomos subindo juntos, ele colado em mim, mordendo de leve meu pescoço. Chegamos na sala, Carlos veio logo depois, enquanto Ander me encoxava e mordia meu pescoço, Carlos veio pela frente e começou a me beijar de novo. Agora, sem ele pedir, fui direto em direção ao pau dele, massageando.Ander começa a subir meu vestido, deixando minha bunda totalmente a mostra, só de calcinha:
– Nossa, que delícia de rabo Paulinha…vai ser todinho meu…
– Nosso, Ander, não esquece de mim – diz Carlos.
– Calma garotos, vamos aproveitar…tem pra vocês dois…falei isso, depois pensei onde eu estava com a cabeça…rsrs.
Ander começa a descer, apertando minha bunda, começa a morder e a dar beijinhos, lambidas…nisso Carlos começa a abrir sua calca, deixando a mostra seu pau, duro, tamanho médio, com pelos aparados. Peguei no seu pau, pulsando, e comecei a punhetar…enquanto Anderse deliciava na minha bunda, gemendo e mordendo…Carlos se afastou de mim e foi para o sofá, tirou sua roupa e me chamou:
– Vem cá, Paulinha, vem sentir o gosto do seu macho vem…
– Isso, vai lá gostosa, mas vai de 4 rebolando esse rabo pra mim – disse Ander.
Só obedeci, me ajoelhei e fui indo em direção ao Carlos. Olhei pra trás e Ander estava tirando sua roupa, o pau era um pouco maior, talvez por ser todo depilado. Cheguei perto do Carlos, nunca tinha chupado alguém, mas já havia recebido boquete…tentei fazer do jeito que eu gosto. Comecei lambendo a cabeça, sentindo o cheiro, lambendo devagar. Fui descendo por todo o pau, sentindo cada pedaço dele, aproveitando aquele momento…comecei a enfiar na boca, meio sem jeito, mas acho que ele estava gostando. Nisso sinto Ander afastando a minha calcinha e começando a lamber meu cuzinho…que sensação maravilhosa, um tesâo absurdo tomou conta de mim. Comecei a mamar o Carlos com mais intensidade, rebolando na língua do Ander e gemendo feito uma puta.
– Isso putinha, chupa seu macho vai…disse Carlos.
Continuei mamando, ora tirando, lambendo todo ele, batendo no meu rosto, enquanto Ander estava se deliciando com meu cuzinho, chupando, lambendo, apertando minha bundinha…senti que ele começou a forçar um dedo, dei um gemido e pedi pra ir devagar. Ele foi enfiando, não doeu, foi gostoso. Ele continuou, fazendo movimentos de vai e vem. Continuei chupando Carlos, vi que o Ander saiu e voltou, acho que era lubrificante…voltou a enfiar um dedo, dessa vez mais fácil…foi tentando mais um…foi melhorando a sensação. Nisso percebo que o pau do Carlos começou a pulsar, tirei o pau dele da boca e ele gozou, veio um pouco na minha boca, gosto salgado…ele olhou pra mim, me deu um beijo, colocou sua roupa e foi embora:
– Preciso ir Ander, tenho que trabalhar daqui a pouco…aproveita essa putinha por mim.
Ander não falou nada, levantou e veio na minha frente…
– Mama aqui vai, agora somos só nós 2. Comecei a chupar, o Ander era mais safado que o Carlos…batia o pau na minha cara, me chamava de putinha safada, eu gemia e chupava seu pau, lambia suas bolas, sentia cada cm daquela delícia…ele ped pra eu levantar me escorar no sofá, empinando a bundinha. Fiquei do jeito que ele pediu…
– Agora quero sentir esse cuzinho gostoso. Ele lambuza bastante meu cuzinho, seu pau também e encosta a cabecinha na porta do meu cuzinho, fica pincelando, falando safadezas no meu ouvido e dando tapas na minha bunda. Começa a enfiar a cabecinha, sinto uma dorzinha, mas ele vai colocando mais, devagarinho vai entrando e me preenchendo.
– Aiiii…devagar Ander – falo eu. – Calma putinha, vai se acostumar. Nisso sinto seu corpo colado no meu, percebi que ele estava todo dentro de mim, algo me preenchendo todo. Ele começa um movimento de vai vem, devagarinho, vai aumentando o ritmo. Nisso, já começo a escutar o barulho de suas bolas batendo na minha bunda, eu gemendo e ele me chamando de putinha safada, dando tapas na minha bunda e beijando minha nuca.
– Paulinha, que delícia de cuzinho, bem apertadinho…o Carlos não sabe o que perdeu – disse Ander. Ele continua metendo, eu rebolando como uma puta, nunca tinha sentido nada igual. Sinto que ele me aperta forte na bunda, sinto seu pau pulsar, e sinto um jato me invadindo, aliás, vários…rsrs. Ele cai sobre meu corpo, ambos suados e exaustos, olho para o sofá e percebo que acabei gozando junto, sem encostar no meu pau. Que sensação deliciosa. Ele se levanta, vai até o banheiro pra se limpar. Acompanho ele e peço pra tomar um banho rápido pra poder ir embora. Ficamos conversando no banheiro e combinamos uma outra festinha, mas nesta o Carlos estaria presente. Espero que tenham gostado, é o primeiro que escrevo e, em breve, pretendo escrever algum que eu tenha realizado mesmo. Bjos!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *